Primeiros passos

Guia GerenciaNet: o que é e-commerce

Criado em 28 de out. de 2014

(Atualizado em 13 de jun. de 2023)

O mercado de e-commerce tem crescido muito nos últimos anos, transformando-se em uma ótima forma de aquisição de produtos sem sequer precisar sair de casa. A comodidade e a segurança que proporciona aos consumidores é incomparável. Como consequência dessa expansão em progressão geométrica, sua representatividade na economia já é uma das mais significativas, proporção essa que ainda tende a crescer muito a curto e médio prazos.

Sentiu a importância — e urgência! — de ficar por dentro dessa tendência? Quer saber mais sobre o assunto agora mesmo? Então confira nosso artigo e se inteire sobre as minúcias desse movimento:

Novo e promissor comércio

O comércio eletrônico vem se destacando em muitos quesitos na economia do nosso país, que já figura no topo do ranking de países com o maior número de operações por e-commerce do mundo. De acordo com o relatório Webshoppers da empresa eBit, o faturamento do mercado de e-commerce no Brasil atingiu 28,8 bilhões de reais durante o ano de 2013, e, só no primeiro semestre de 2014, já atingiu a cifra de 16,6 bilhões de reais, com expectativas de chegar a mais de 35 bilhões até o final do ano.

Grande parte desse sucesso se deve à popularização dos dispositivos móveis, que permitem a compra de produtos de onde quer que o consumidor esteja. De 2013 para 2014, por exemplo, o mobile commerce cresceu 7%, praticamente dobrando sua fatia de mercado se comparado ao ano anterior.

E é nesse promissor cenário que se está lidando com possibilidades reais de grandes investimentos em infraestrutura tecnológica para que se ofereça, tanto para os empresários como para os usuários, mais facilidades na hora de se comprar e vender pela internet.

Produtos vendidos on-line

Para se investir em um e-commerce é preciso, primeiramente, definir o produto ou o serviço a ser comercializado. E esse primeiro passo já é importantíssimo e bem complexo, já que as opções são inúmeras, e a escolha pode definir o sucesso ou o fracasso do seu negócio.

Segundo a empresa eBit, em seu relatório Webshoppers, os seguimentos que mais têm saída nos e-commerces são: moda e acessórios (18%), cosméticos e perfumaria (16%), eletrodomésticos (11%), livros e afins (8%) e telefonia e celulares (7%). Mas isso não quer dizer que um e-commerce que não venda esses produtos está fadado ao fracasso. O comércio eletrônico mais específico, de nicho, tem crescido muito. Hoje já é possível encontrar praticamente qualquer produto sendo vendido na internet, de chás gourmets e cervejas artesanais a meias pretas e almofadas personalizadas.

A facilidade em se abrir um e-commerce é o que motiva muitos empreendedores a colocarem seus produtos na rede, ampliando o portfólio de ofertas aos usuários. Dessa forma, o mais importante é definir o público-alvo, conhecer suas necessidades e desenvolver soluções eficazes e específicas. O restante fica com o trabalho de divulgação!

Consumidor ou empresarial

B2B ou B2C? Essas duas siglas sempre acompanham os e-commerces, mas ainda geram dúvidas em relação a seus significados. Então vamos por partes: o B2B — Business to Business — consiste no relacionamento comercial entre duas empresas, sendo uma a fornecedora e a outra, consumidora. Já o B2C — Business to Consumer ou Business to Commerce — estabelece o relacionamento entre uma empresa e um consumidor final, sem intermediários.

No e-commerce é possível trabalhar nos dois segmentos, não existindo muita diferença entre as plataformas a serem usadas para atender aos dois públicos — exceto pelo cálculo de impostos nos pedidos de B2B.

Carrinho de compras virtual

O carrinho de compras virtual é um dos processos mais importantes de um e-commerce, já que grande parte das desistências de compra acontecem exatamente nessa fase.

A eficiência dessa etapa requer um carrinho ágil e intuitivo, acelerando ao máximo o fechamento da compra para o consumidor. Carrinhos de compra que exigem muitos cadastros e a passagem por muitas páginas de acesso desmotivam o consumidor e acabam minando toda a estratégia de marketing de vendas da loja.

É por isso que muitos gigantes do e-commerce investem em ferramentas do tipo “compre com 1 clique”. Assim, o cliente faz um cadastro uma única vez e as próximas compras são fechadas com apenas 1 clique, otimizando tempo e deixando o cliente mais satisfeito.

Outro diferencial de um carrinho de compras virtual eficaz é a possibilidade de acompanhar os valores da compra a todo momento, deixando o cliente mais à vontade para navegar pelos produtos sem se preocupar com o valor final. Mesmo desistindo da compra ou fechando a janela sem querer, os produtos selecionados permanecem no carrinho de compras para um acesso posterior, poupando o trabalho de ter que selecionar tudo de novo.

Procedimento de checkout

Como em uma loja física, o checkout é o caixa da loja, onde é possível realizar um cadastro, verificar o valor do frete, acordar a entrega e finalmente concluir o pagamento. Tudo o que for combinado nessa transação é extremamente relevante e deve ser comunicado ao cliente da forma mais clara e objetiva possível. Por isso criou-se o checkout transparente, por meio do qual esses dados são colocados em uma única página, facilitando a revisão do cliente sobre os pormenores dos termos da compra.

Esse modelo de checkout deu tão certo que a maioria dos e-commerces já trabalha com ele, o que tem contribuído para a redução geral das desistências na etapa do carrinho de compras. Completamente ciente do que está comprando, das condições de pagamento e dos prazos de entrega, o cliente se sente mais seguro para finalizar a compra.

Oferecer múltiplos meios de pagamento é essencial nessa fase, para que se consiga atingir um público ainda maior, não perdendo vendas pela falta de uma bandeira de cartão ou pela falta de opção de pagamento por meio de boletos. E para oferecer ainda mais segurança aos interessados, integre tudo com uma plataforma intermediadora de pagamentos on-line, ferramenta extremamente útil e largamente utilizada pelos e-commerces atualmente.

Processo de entrega

De nada adianta ter um processo de compra excelente se você não consegue proporcionar uma entrega tão qualificada quanto. Portanto, é preciso investir em estratégias de logística que atendam ao seu mercado consumidor em tempo hábil, garantindo os prazos acordados na compra.

Ter estoque próprio ainda é a melhor opção para quem deseja administrar um e-commerce eficaz no que tange à logística e distribuição, mas também é possível também contar com a infraestrutura de depósitos terceirizados localizados em pontos estratégicos do país para se ter, assim, um fluxo melhor de mercadorias e manter a qualidade da entrega de seus produtos.

Dispor de várias formas de entrega também contribui para que o e-commerce não seja pego de surpresa — como em uma greve dos Correios, por exemplo. O consumidor não pode ser penalizado pela falta de preparo do e-commerce para realizar suas entregas. Portanto, contar com parcerias com transportadoras e empresas de entregas rápidas pode ser uma boa solução.

Como se pôde perceber, as possibilidades para o e-commerce são muitas e estão ao alcance de todos. Com as tecnologias da informação e da comunicação, é possível criar uma loja virtual em poucos dias e passar a comercializar seus produtos na internet muito rapidamente. O diferencial da sua loja deve estar baseado em produtos únicos e em um atendimento personalizado, atraindo e retendo clientes com o que você pode oferecer de melhor.

E então, agora que já está completamente por dentro dos detalhes envolvendo esse novo mercado, comente aqui e nos conte: pronto para transformar a ideia no papel em projeto concreto? Divida seus planos conosco!

Compartilhe nas redes:

Gostou do que viu por aqui?

Cadastre-se para receber os melhores conteúdos exclusivos sobre tecnologia de pagamentos e gestão, para alavancar de vez os seus negócios.