Finanças e Gestão

Pequenos provedores podem não precisar mais de licença

Criado em 14 de set. de 2015

(Atualizado em 12 de jun. de 2023)

O Conselho Diretor da Anatel analisou, no último dia 27 de agosto, a proposta para que pequenos provedores de Internet não precisem mais de licença da Anatel para funcionar – ao menos enquanto tiverem menos de cinco mil clientes. A proposta será colocada em consulta pública durante 60 dias e será objeto de uma audiência em Brasília durante o período para começar a valer.

Além da linha de corte em cinco mil assinantes, ofertas de Serviço de Comunicação Multimídia e Serviço Limitado Privado, serão dispensadas de licença prévia da agência quando forem prestados por meio confinado (como fibras ópticas, por exemplo) ou por equipamentos de radiação restrita (como Wi-Fi). Por conta disso, além da licença prévia os (bem) pequenos provedores também serão dispensados de licenciamento os equipamentos usados para a prestação dos serviços – sempre mantendo a regra de que sejam meios confinados ou equipamentos de radiação restrita.

“O peso do fardo regulatório deve variar conforme tamanho e posição da empresa no mercado. Grandes obrigações para pequenos prestadores são barreiras de entrada e competição”, sustentou o conselheiro Rodrigo Zerbone, relator da proposta que vai à consulta. Segundo ele, a medida “retira uma série de ônus que empresas têm para entrar e se desenvolver no mercado, além da dificuldade de pequenos empresários no interior do Brasil de ter ciência de todas as regras e necessidades burocráticas para a prestação de SCM”.

Não por menos, o Conselho Diretor espera que essa mudança se reflita em “preços mais acessíveis e maior qualidade decorrente da competição e entrada de novos prestadores, ampliação da oferta no interior, locais menos atrativos e mesmo na periferia dos centros urbanos”. A proposta usa o artigo 131 da Lei Geral de Telecomunicações (9.472/97), que exige licença para exploração, mas deixa à cargo da agência reguladora a definição dos “casos que independerão de autorização”. “É a primeira vez que a Anatel usa esse artigo para dispensa de outorga”, disse Zerbone.

“É um avanço ainda tímido, poderia até ser mais de cinco mil assinantes, para a desregulamentação, mas deve abranger milhares de operadoras hoje”, afirmou o presidente da Anatel, João Rezende. Dos 2,3 mil provedores de SCM registrados pela Anatel em junho deste ano, apenas 90 contam mais de cinco mil clientes.

Para saber mais informações, acesse a nossas redes sociais

*Artigo retirado do Portal Abranet.

Compartilhe nas redes:

Gostou do que viu por aqui?

Cadastre-se para receber os melhores conteúdos exclusivos sobre tecnologia de pagamentos e gestão, para alavancar de vez os seus negócios.